top of page
  • Writer's pictureDra. Paula Reichert Leite

Consumo de álcool


Consumir álcool dá prazer pois ativa nosso sistema de recompensa e motivação, regido pela dopamina, e aumenta serotonina no núcleo da rafe, reduzindo estresse e ansiedade. Por ocupar os receptores de GABA e reduzir glutamato, sentimos relaxamento e bem-estar na 1a dose. Mas doses subsequentes tem efeito rebote, aumentando a ansiedade (neuroinflamação). O consumo regular (1 dose/dia) acaba alterando os receptores e neurotransmissores e causando atrofia cerebral (com alterações de foco, cognição e memória).


Recorrer a álcool para relaxar pode causar dependência e consequências graves. Cannabidiol é uma excelente opção para isso pois relaxa mas é antiinflamatório e antioxidante!


Estudos de álcool vs Alzheimer, longevidade e doenças cardiovasculares são controversos, pois são muitas variáveis envolvidas. Enquanto alguns mostram que aumenta, outros dizem que reduz o risco (e um estudo mostrou que 25% desses estudos que comprovam os benefícios do álcool são patrocinados pela indústria...).


Álcool aumenta câncer (mama, próstata, cólon, esôfago, orofaringe e laringe). Uma dose ao dia dobra o risco de CA de mama e cólon! Isso ocorre por ser cancerígeno, inflamatório, aumentar radicais livres, causar disbiose e leaky gut, causar deficiência de micronutrientes e reduzir a imunidade das células natural killers.

O CA de mama também ocorre porque álcool acelera o metabolismo do estrogênio para as vias de metabólitos cancerígenos e aumenta 15x a atividade dos receptores estrogênicos. Assim, mulheres na perimenopausa tendem a ter mais fogachos com álcool, e aquelas em Terapia de reposição hormonal (TRH) ou com mutações nos genes BRCA idealmente não deveriam beber!


Reduz ovulação e aumenta abortos, TPM, endometriose e menopausa precoce, e em homens aumenta disfunção erétil. Ideal é zerar o consumo no mínimo 3 meses antes de conceber.


Ouça sua avó e não beba de estômago vazio! A presença de comida no estômago reduz a absorção do álcool e acelera as enzimas que metabolizam álcool.

Polimorfismos nas enzimas ADH, ALDH e CYP2E1 alteram o metabolismo e aumentam a toxicidade do álcool. Mulheres tem menos enzima, metabolizando pior o álcool.


Quer perder ou manter o peso? Saiba que álcool tem calorias vazias, são 7 Kcal por grama e nenhum nutriente! Para você ter idéia, cada grama de carboidrato ou proteína tem 4Kcal enquanto gordura tem 9Kcal. E ainda reduz a absorção e aumenta a excreção de vitaminas e minerais, altera a nossa barreira gastrointestinal e cerebral e a nossa microbiota (eixo intestino cérebro chora!). O consumo de 4 doses aumenta LPS na nossa corrente sanguinea por 3 horas! Esse LPS está diretamente ligado a Alzheimer e doenças cardiovasculares!


Aumenta a gordura visceral, que é pró inflamatória.


Altera o padrão do sono, gerando consequências a curto e longo prazo: Reduz sono REM (importante para consolidação de memória, aprendizado, solução de problemas e regulação emocional) e Deep (imunidade, hormônios e reparo tecidual), aumenta despertares, piora apnéia e roncos, contribuindo para um sono não reparador. Evite álcool nas 4h que antecedem o sono. Assim, a minha recomendação é: se for beber, beba apenas sábado e/ou domingo no almoço, com moderação, alternando cada dose com 1 copo de água e quando chegar em casa capriche na hidratação com eletrólitos, I3C e NAC (na minha lista de produtos recomendados do link da bio sugiro alguns). Evite paracetamol pois aumenta a toxicidade hepática e evite antiinflamatórios (ibuprofeno, AAS etc) pois esses reduzem as enzimas que metabolizam álcool.


E não caia na história de que vinho tinto tem resveratrol! Seriam necessárias centenas de doses ao dia para conseguir a dose terapêutica dele.


Conhecimento é poder! Com essas informações pese prós e contras e faça escolhas conscientes!

5 views0 comments

Related Posts

See All

Taurina

Esse aminoácido pode mudar sua vida! Um dos meus suplementos favoritos, é um aminoácido essencial, ou seja, o corpo pode sintetizar, mas em situações de estresse ou doença a produção pode não ser sufi

Comentarios


bottom of page