• Dra. Paula Reichert Leite

Como Cuidar de sua Imunidade



Nossa imunidade é muito mais complexa do que imaginamos! Conheça como seu corpo se defende contra agentes agressores e aprenda como fortalecê-lo!


O sistema imunológico é responsável por nos proteger de patógenos como bactérias, vírus, fungos, parasitas e substâncias estranhas, aos quais estamos constantemente expostos. Podemos classificar a função imunológica de várias formas:

- Inata ou Adaptativa

- Ativa ou Passiva

- Natural ou Artificial


Inata x Adaptativa:

A Imunidade Inata é a primeira defesa contra um patógeno, rápida porém menos eficaz e inespecífica, conferida, principalmente, por barreiras protetoras (pele, mucosas e secreções) e células imunológicas não específicas (macrófagos e monócitos, células dendríticas, neutrófilos, eosinófilos e mastócitos). Chama Inata pois está presente desde o nascimento da pessoa. Para que essa imunidade atue não é necessário um contato prévio com agentes agressores. O patógeno é destruído pelo pH ácido do estômago, por enzimas nas secreções (defensinas na lágrima, saliva, suor, muco) ou ainda fagocitado (engolido) pelas células imunológicas citadas, que produzem mediadores inflamatórios (citocinas) que irão gerar uma inflamação recrutando mais células para o local.

A Imunidade Adaptativa é lenta porém mais especializada e específica. É adquirida durante a vida da pessoa, através da exposição a agentes agressores que não foram exterminados pela imunidade inata. Podemos classificá-la em Humoral e Celular. A Humoral é caracterizada pela produção de anticorpos bem específicos (proteínas produzidas por linfócitos B, representadas em rosa na foto acima). Esses são como fechaduras feitas sob medida apenas para a chave que desencadeou sua formação (antígenos dos patógenos). Na primeira vez que o antígeno não eliminado pela imunidade inata entra em contato com os linfócitos B (resposta primária) a produção de anticorpos é lenta. Mas nas próximas vezes que esse contato ocorrer (resposta secundária) o reconhecimento do antígeno e produção de anticorpos ocorrem mais rapidamente. Temos ainda a Imunidade Celular, desencadeada por células especializadas que destróem uma célula infectada. Essa imunidade é mediada por linfócitos T.


Ativa x Passiva:

A Imunidade Ativa é desenvolvida quando um determinado antígeno entra em nosso corpo. Ela pode ser Natural (infecção) ou Artificial (vacinas).

Na Imunidade Passiva a pessoa recebe anticorpos já prontos contra determinado agente. A forma Natural ocorre na transferência de anticorpos da mãe para o bebê através da placenta. Na forma Artificial há administração de anticorpos por soros (como o antitetânico).


Imunidade x COVID-19: Ainda não se pode afirmar a real eficácia das vacinas contra o Coronavírus pois são muito recentes e a fase de estudos clínicos foi encurtada pela urgência da pandemia. Mas a imunidade que a pessoa desenvolve com a vacina é influenciada pela saúde da pessoa. O Microbioma, o nível de vitamina D e nosso grau de inflamação crônica de baixo grau comprovadamente influenciam nossa formação de anticorpos (precisamos de um corpo minimamente saudável para conseguirmos formar anticorpos, independentemente das situações citadas acima). A vacina não protege contra todas as variantes do vírus e ainda não sabemos quanto tempo duram os anticorpos formados. Se o indivíduo não melhorar a imunidade e sua inflamação poderá se re-infectar ou até mesmo não reagir à vacina, não formando anticorpos.


Como podemos melhorar nossa Imunidade?

Através da adoção de hábitos de vida saudáveis. Infelizmente nosso estilo de vida moderno aumenta o stress e a inflamação crônica e é inimigo da imunidade. O mais incrível é que essas mesmas estratégias tratam as raízes de doenças crônicas, tão prevalentes na sociedade. Sendo assim, aqui estão as dicas resumidas (irei detalhar cada uma em posts separados):


- Alimentação balanceada: Aproximadamente 80% do nosso sistema imune está no nosso trato gastrointestinal, exatamente por ser ali a maior porta de entrada dos microorganismos no nosso corpo. O equilíbrio da nossa Microbiota é crucial (devemos alimentar as boas bactérias comensais e reduzir as bactérias patogênicas). Além disso, é importante fornecer nutrientes como Fitoquímicos (polifenóis, curcumina, etc), Fibras (que alimentam as bactérias protetoras e nos ajudam a eliminar toxinas), Vitaminas (A, Complexo B, C, D, E, K), Minerais (zinco, selênio, magnésio, cobre, ferro) e Ômega 3, que modulam nosso sistema imune, a expressão dos nossos genes, nosso metabolismo e a síntese de hormônios e neurotransmissores. Uma dieta rica em vegetais, frutas, sementes e oleaginosas, óleos ricos em antioxidantes (como oliva, abacate, côco) garante isso. Deve-se ingerir moderada quantidade de proteína animal (peixes, carnes, aves, ovos) e reduzir ao máximo o consumo de alimentos industrializados (que perdem muito de sua densidade nutricional na fabricação e são cheios de gordura trans, sal, açúcar). Alimentos orgânicos reduzem a carga de toxinas que temos que metabolizar, além de comprovadamente terem mais nutrientes e fitoquímicos.


- Atividade física é uma grande aliada para fortalecimento do sistema imunológico. Também otimiza a saúde cerebral, o metabolismo, a microbiota e a qualidade do sono. Aqui frequência é mais importante do que intensidade (melhor 30 minutos 3-5 vezes por semana do que 3 horas em único dia). O Institute for Functional Medicine (IFM.org) preconiza intercalar treinos aeróbicos 150 minutos/ semana, ou seja, 30-60 minutos em 3- 5 dias (corridas, caminhadas, ciclismo, natação) com treinos de resistência muscular (musculação, funcional, pilates, trabalhando cada grupo muscular 2 a 3 dias por semana). E se puder ser ao ar livre, melhor. A exposição ao sol aumenta nossa produção de Vitamina D (crucial para a imunidade) e endorfinas (sabe aquela sensação de bem-estar quando você toma sol?), além de regular nosso ritmo circadiano.


- Sono: é a pedra fundamental para quem quer uma vida saudável e feliz. A privação de sono aumenta a inflamação, a resistência insulínica, depressão e ansiedade, o risco cardiovascular, câncer, e reduz a imunidade, a detoxificação do nosso corpo encurtando a expectativa de vida. A regulação do ritmo circadiano irá modular a síntese do hormônio que funciona como o Maestro da orquestra hormonal... A Melatonina. Ela regula funções em todas as nossas células, otimiza nossos hormônios e neurotransmissores, reduz a inflamação e o cortisol, aumenta a função dos nossos linfócitos. Sou completamente fascinada por esse hormônio e estou preparando um post especial sobre isso.


- Redução do Stress: hobbies, meditação, yoga, pranayama, massagens, práticas espirituais, etc. Estudos mostram que 75-90% das doenças estão relacionadas a stress e inflamação. Ao normalizar a produção de hormônios relacionados ao stress (cortisol e catecolaminas) você estará otimizando todo o metabolismo, melhorando as doenças citadas acima.



" A mente que se abre a uma nova ideia jamais voltará a seu tamanho original".

Albert Einstein.






13 views0 comments

Related Posts

See All