top of page
  • Writer's pictureDra. Paula Reichert Leite

Intolerância Histamínica

Updated: May 30



Histamina é uma substância que produzimos principalmente no nosso sistema imunológico mas também em neurônios. Ela ajuda a nos proteger de patógenos, tem papel na motilidade intestinal e na secreção de ácido no estômago e atua como neurotransmissor (vigília, apetite, aprendizado e memória). Mas quando em excesso se torna um problema.


Aumento de histamina no trato gastrointestinal está associada a gastrite, refluxo, náuseas, diarréia, vômitos, Síndrome do intestino irritável, SIBO (supercrescimento bacteriano no intestino delgado), hipersensibilidade alimentar (não necessariamente alergia, que é mediada por anticorpos).

Histamina em excesso pode causar rinite, urticária, dermatites, conjuntivite alérgica, asma, hipotensão (pressão baixa), enxaquecas, insônia, ansiedade, zumbidos.


Fontes de histamina: alimentos, nossa microbiota intestinal, nossos sistemas imunológico (mastócitos e basófilos) e nervoso.


Nosso corpo metaboliza a histamina por 2 enzimas principais:

  • A DAO é a enzima que quebra a Histamina extracelular, e é produzida nos rins, timo e epitélio intestinal. No cérebro, essa enzima oxida a D-serina, uma potente ativadora do receptor de glutamato do tipo N-metil-D-aspartato (NMDA). Isso pode levar à déficit de atencao, de memória e aumento de ansiedade e insônia, enxaquecas, depressão, tontura, zumbidos.

  • Já a HNMT inativa a histamina intracelular. Deficiência dessa enzima aumenta o risco de enxaqueca, ansiedade, insônia quando consomimos alimentos ricos em histamina.


Alimentos podem:

- ser ricos em Histamina e/ou

- aumentar a nossa produção endógena de histamina e/ou

- bloquear a nossa produção de DAO (enzima que quebra a histamina).


Aumentam intolerância histamínica:

- Polimorfismos nos Genes  DAO, MTHFR, HDC, HNMT, ALDH1A1, MAOB

- Alergias alimentares

- Leaky Gut

- Disbiose (algumas bactérias produzem histamina)

- Má digestão (pH gástrico alto- uso cronico de “prazóis", deficiências enzimáticas- bile e pâncreas)

- Estresse

- Dominância estrogênica


Diagnóstico:

É principalmente clínico. Mas exames como análise dos genes acima, dosagem e atividade da DAO no sangue podem auxiliar.


Tratamento:

- manejar stress, otimizar sono

- Suporte à Metilação (vitaminas B6, B9 e B12 na forma ativa)

- Suporte à DAO: Cálcio (gergelim, couve, brocolis, agriao, quiabo), Cobre (semente de girassol, lentilhas, aspargos)

-Suplementar AdiDAO 20 min antes das refeições

-Tratar Leaky gut (protocolo 5R), mas evitando fermentados e bone broth. Evitar Lactobacillus bulgaricus e casei.

- Mas o principal é seguir uma Dieta pobre em histamina, assistida por nutricionista, evitando:


- Álcool inibe o metabolismo da histamina e quando fermentado (vinho, champagne, sakê, cerveja) é fonte de histamina

-Glúten

- Chocolate

- Comidas guardadas (leftovers- congelar é ok)

- Carnes curadas (salames, salsicha, presunto etc)

- Alimentos azedos, vinagre

- Fermentados (iogurte, kefir, picles, etc)

- Futas secas

- Futas cítricas (limão costuma ser mais tolerado)

- Mamão, morangos, banana, abacate, abacaxi

- Queijo envelhecido (inclusive de cabra)

- Castanhas

- Peixe defumado

- Peixes enlatados

- Frutos do mar

- Caldo de osso (bone broth)

- Tomate cru (cozido é ok)

- Espinafre, berinjela, soja

- Derivados de leite,

- Corantes e conservantes.


Ou seja, comer sempre comida fresca.

Álcool, chocolate e chá mate inibem a DAO.


Medicamentos que alteram DAO: antiácidos (“prazóis”, famotidina), metformina, anti-inflamatórios, morfina, antiarrítmicos (beta bloqueadores), uso crônico de anti-histamínicos (Allegra, Benadryl, zyrtec), antidepressivos (Cymbalta, efexor, Prozac).


Anti-histamínicos que bloqueiam o receptor de histamina (levocetirizina, montelukast, ebastina, etc) aliviam os sintomas mas não reduzem os níveis de histamina, e parecem reduzir ainda mais os níveis de DAO.


Podemos reduzir a histamina endógena com: Quercetina, Luteolina, Rutina, Bromelina, Vitamina C, D e E , Urtica dioica, omega3, EGCG, cetotifeno.


Antiácidos como bicarbonato de sódio ou de potássio, Luftagastropro, Famox são a melhor opção nos casos de dor de estômago, mas tente usar só se necessário e não se automedique. Ao aumentar o pH gastrico aumentam a resposta alérgica pois aumentam muito IgE e degranulação de mastócitos.


Vitaminas e minerais ajudam a melhorar a DAO: zinco, magnésio, B12, ferro.



Um livro que amo é o Dirty Genes!


No Brasil um dos maiores estudiosos no assunto é o Dr Cristiano Rudge



Related Posts

See All

Comments


bottom of page