top of page
  • Writer's pictureDra. Paula Reichert Leite

Deficiência de Ferro




Ferro é um mineral fundamental para o transporte de oxigênio dos pulmões para os tecidos e o funcionamento de enzimas ligadas à produção de energia, hormônios, detoxificação e imunidade.


Sintomas de deficiência:

  • cansaço

  • fraqueza

  • queda de cabelos, pele ressecada, unhas frágeis, palidez de pele e mucosas

  • infecções frequentes

  • taquicardia e palpitações

  • dor de cabeça

  • extremidades frias

  • síndrome das pernas inquietas

  • desejo por comer não alimentos (tijolo, giz, papel, terra)


Diagnóstico laboratorial:

O ideal é correlacionar diversos parâmetros laboratoriais com a história clínica.

A dosagem de ferro sérico varia 30% ao longo do dia, não sendo o melhor exame para avaliação.

Ferritina é a proteína que armazena ferro mas ela aumenta quando estamos inflamados, independentemente da quantidade de ferro, podendo dar um resultado falso negativo de deficiência.

A transferrina é a proteína que carrega o ferro, e o grau de saturação dela é útil.

Até mesmo um hemograma pode auxiliar, quando avaliamos não só a quantidade de hemoglobina (Hb) mas também o tamanho (VCM) e a cor (HCM) das hemácias (mas esses parâmetros podem estar normais se também há deficiência de B12).


Causas:

- Perdas sanguíneas: menstruação, sangramentos gastrointestinais por úlceras, pólipos, câncer ou uso crônico de aspirina e anti-inflamatórios, cirurgias, doações frequentes de sangue

- Menor absorção de ferro: doença celíaca, bariátrica, SIBO e verminoses (microorganismos no intestino consomem ferro e também atrapalham a nossa absorção), hipocloridria (redução da acidez estomacal por H. pylori, envelhecimento, gastrite atrófica autoimune ou uso crônico de antiácidos)

- Maiores necessidades de ferro: doenças crônicas como câncer, infecções, doenças renais

- Diluição: gestação

- Menor consumo de ferro na dieta: O ferro heme é melhor absorvido e se encontra nas carnes, peixes, aves, ovos. O não heme está ligado a fitados e oxalato que reduzem sua absorção, e é encontrado em animais e vegetais como soja, folhas verde escuras, feijão, ervilha, lentilha, semente de abóbora e farinhas fortificadas.


Tratamento:

Como na Medicina Funcional tratamos as causas, e não apenas os sintomas, juntamente com a reposição de ferro precisamos investigar as causas acima e otimizar o pH gástrico, tratar disbioses, etc.

Muitas vezes a via endovenosa acaba sendo vantajosa em pacientes com alterações do TGI.

Via oral os que dão menos efeitos colaterais e são melhores absorvidos são os ferros lipossomais e os polimaltosados.


Cuidados ao suplementar:

- Não suplementar Fe com refeições ou suplementos ricas em Cálcio pois este inibe a absorção de Fe.

- Não suplementar Fe com refeições ou suplementos ricos em Zinco pois o Fe inibe a absorção de Zn.

- Vitamina C (suplemento ou frutas cítricas, brócolis, pimentões, folhas, tomates) ajuda a absorção de Fe.


Não se automedique pois o excesso de ferro também é prejudicial porque aumenta a oxidação no nosso organismo, além de acumular nas vísceras atrapalhando seu funcionamento.

Se você tem os sintomas ou causas descritos acima por favor procure um médico para avaliação.




16 views0 comments

Related Posts

See All

Comments


bottom of page